link para página principal link para página principal
Brasília, 1 de dezembro de 2020 - 09:43
Plenário Virtual Imprimir

MANIFESTAÇÃO

O SENHOR MINISTRO GILMAR MENDES - (Relator) : Trata-se de recurso extraordinário interposto por Paulo Roberto de Lima contra acórdão formalizado pelo Tribunal de Justiça do Estado de Rondônia, cuja ementa assim dispõe:

EMENTA

Tráfico. Mandado de busca e apreensão. Autoria. Associação. Tráfico interestadual.

Tratando-se da prática de delito tido por permanente como o tráfico ilícito de substância entorpecente, em que a consumação perpetua-se pelo tempo, restam autorizadas as buscas efetivadas pela autoridade policial, sendo prescindível a apresentação de mandado de busca e apreensão.

Verificando-se que as provas coligidas são suficientes para formar um juízo de convicção quanto ao transporte de substância entorpecente, mantém-se a condenação pela prática do comércio ilegal de drogas.

A aplicação da causa especial do art. 40, V, da Lei n.º 11.343/2006 exige que os agentes tenham ultrapassado a divisa entre os Estados da Federação. Precedentes do Superior Tribunal de Justiça.

Exige-se, para configuração da associação para o tráfico, a demonstração do vínculo associativo entre os agentes para a prática do crime.

Incabível o pedido de redução da pena nos moldes do disposto no § 4º do art. 33 da lei n.º 11.343/2006 quando não preenchidos os requisitos cumulativos exigidos na lei. (fls. 175-176).

Opostos dois embargos de declaração, sucessivamente, estes restaram rejeitados.

Nas razões do extraordinário, Paulo Roberto de Lima sustenta que são ilícitas as provas obtidas mediante a invasão do respectivo domicílio por autoridades policiais, pois ausente o necessário mandado de busca e apreensão. Dessa forma, entende ter sido violado o art. 5º da CF, considerados os incisos LVI (são inadmissíveis, no processo, as provas obtidas por meio ilícito) e XI (a casa é asilo inviolável do indivíduo, ninguém nela podendo penetrar sem consentimento do morador, salvo em caso de flagrante delito ou desastre, ou para prestar socorro, ou, durante o dia, por determinação judicial).

Assevera, ainda, afronta ao art. 5º, LV (aos litigantes, em processo judicial ou administrativo, e aos acusados em geral são assegurados o contraditório e ampla defesa, com os meios e recursos a ela inerentes), tendo em vista a alegação de que a sentença condenatória baseou-se apenas nas provas obtidas na fase de inquérito policial.

O recorrente apresentou preliminar de repercussão geral, conforme previsto no art. 543-A, § 2º, do CPC.

Inicialmente, registro que o AI n.º 757.159 foi provido e convertido neste recurso extraordinário.

A Procuradoria-Geral da República opinou pelo conhecimento parcial deste recurso extraordinário e, nesta extensão, pelo seu desprovimento. Eis a ementa do parecer:

AGRAVO DE INSTRUMENTO CONVERTIDO EM RE. CONHECIMENTO PARCIAL. OFENSA REFLEXA. SÚMULA 279/STF. VIOLAÇÃO DE DOMICÍLIO. TRÁFICO DE DROGAS. CRIME PERMANENTE. ESTADO DE FLAGRÂNCIA QUE JUSTIFICA A BUSCA SEM MANDADO JUDICIAL. INCISO XI DO ART. 5º DA CF. (fl. 290).

Passo à análise do caso, à luz da repercussão geral.

No que concerne à questão de que a violação do domicílio, no período noturno, sem o correspondente mandado judicial de busca e apreensão, ensejaria a ilegalidade das provas colhidas, entendo que merece pronunciamento do Supremo Tribunal Federal, pois transcende o direito subjetivo do recorrente.

Ante o exposto, reconheço a repercussão geral do caso em análise.

Brasília, 7 de maio de 2010.

Ministro GILMAR MENDES

Relator

Documento assinado digitalmente

 
Praça dos Três Poderes - Brasília - DF - CEP 70175-900 Telefone: 55.61.3217.3000 | Telefones Úteis | STF Push | Canais RSS
Seu navegador não suporta frames.